Patrocínio:



 

JOSÉ CAPISTRANO DE PAIVA

Farmacêutico, famoso de Pouso Alto é sem dúvida, uma das mais altas e veneradas personalidades da histórica e vetusta Pouso Alto.
Nascido em Dom Viçoso, antigo distrito de Carmo de Minas, o ilustre político e notável cidadão, em sua juventude cursou a velha e famosa Escola de Farmácia de Ouro Preto, formando-se em 2 de dezembro de 1902.
Em 1910, o farmacêutico José Capistrano de Paiva chegou em Pouso Alto e aqui se estabeleceu com uma farmácia.
Homem culto, coração boníssimo e profissional competente, logo tornou-se a figura proeminente da sociedade local.
O farmacêutico naquele tempo, principalmente os que se formaram pela tradicional Escola de Ouro Preto, possuíam tão grandes cabedais que a par dos conhecimentos farmacológicos, tinham competência para prestar serviços médicos em falta de um profissional diplomado.
O farmacêutico José Capistrano de Paiva foi um deles. Quantas vezes, em lombo de burro, subia as serranias de Pouso Alto atendendo chamados urgentes. Tornou-se respeitado, admirado e querido. Muitos pais, muitas famílias e muitos anônimos devem-lhe assinalados serviços.
José Capistrano de Paiva, o ilustre verão farmacêutico nasceu em Dom Viçoso, filho de Francisco Theodoro de Paiva e Maria Custódio Ribeiro de Paiva.
Sr. Paiva foi casado três vezes e é pai de 19 filhos.
No 1º matrimônio casou-se com D. Maria das Chagas Tales de Morais e teve 2 filhos: Argemiro e Dr. Paiva.
No 2º matrimônio casou-se com D. Nazinha Gouvea Paiva e teve 7 filhos: Maria Geny, Walter Lineu, Nadir, Terezinha que é freira, José Benedito, Paulo, Vicente Walery.
Quando estava viúvo teve mais um filho em Pouso Alto: Geraldo de Moraes.
Casou-se pela 3ª vez com D. Maria Isabel Negreiros de Paiva, a D. Bebé, e teve 9 filhos: Zélia, Fernando que é padre, Sebastião, Evaldo, Marcia, Marilda, José Nilton, Edmar e Maria José.
Senhor Paiva era farmacêutico, mas era também um médico famoso para ricos e pobres, ninguém saía de sua farmácia sem levar os medicamentos necessários, porque sua bondade era enorme.
Muitos remédios eram fabricados por ele mesmo em sua própria farmácia. Pessoas de longe vinham procurar os remédios milagrosos do Sr. Paiva. Era parteiro excelente, quando era chamado, saía de casa com sol, com chuva, a pé, a cavalo, de carro de boi e às vezes até dormia nas roças distantes. Quanto ganhava? Não cobrava nada.
Senhor Paiva ganhava amizade sincera e isto não tem preço.
Algumas vezes chegava em sua casa: verduras, legumes, abóboras, peixes, frangos, e até alguma leitoa que o fulano mandava para o Sr. Paiva em sincero agradecimento e que Deus lhe pague e o abençoe.
Muitas pessoas ilustres de Pouso Alto nasceram em suas mãos.
Além de ser o Médico da cidade, foi também Juiz de Paz, foi Prefeito de 07/04/1946 a 08/10/1946, foi presidente da Caixa Escolar Ribeiro da Luz.
Era um político respeitável, gostava de para tudo pensar e quando decidia, todos obedeciam, porque era justo e bom.
Seu nome jamais será esquecido, pois a praça principal da cidade tem o seu nome.
Que grande honra para a família Paiva, ver no centro da praça a estátua do Sr. Paiva com as seguintes placas:

À
José Capistrano de Paiva
Homenagem do povo de Pouso Alto
30/01/1963

Ao farmacêutico
José Capistrano de Paiva,
exemplo de Profissional e Cidadão
a homenagem póstuma do CRF
Conselho Regional de Farmácia
19 de outubro de 1984

Foi um dos primeiros professores do Ginásio de Pouso Alto.
Foi um exemplo de professor que deixou saudades, com 80 e poucos anos se dispôs a lecionar matemática, a título de colaboração ...
E que colaboração! Jamais será esquecido pelos colegas e pelos alunos. Os alunos tinham o maior carinho e profundo respeito, acompanhavam o professor às vezes até à sua casa.
Muitas vezes o suor descia-lhe pelas faces, tamanho era seu empenho nas aulas de matemática.
Todos os alunos admiravam o Professor Paiva, entre eles Marina da Conceição de Oliveira, tinha veneração por ele.
Todos os dias ela o levava para a sala de aula e depois o levava até a Secretaria para que ele não tropeçasse.
Nos dias de chuva, então, seus cuidados eram maiores ainda, pois o Velho Mestre, como carinhosamente o chamavam, não podia tomar um só pingo de chuva.
Quando o Salão Nobre da escola foi inaugurado, D. Marina teve a honra de colocar a placa que dá nome ao mesmo, na mais pura e sincera homenagem ao grande professor: Salão Nobre Professor Paiva.
Os primeiros alunos da Escofer estão no quadro de honra na entrada da escola e também a foto do saudoso e inesquecível Professor Paiva.
A casa de 2 andares do Sr. José Capistrano de Paiva ainda é a mesma casa antiga da praça que tem no alto da parece as iniciais J.C.P.

Nasceu no dia 16 de novembro de 1881
Faleceu no dia 23 de outubro de 1962

Texto: Zélia Paiva

 



Todo o conteúdo deste site é de livre utilização, tenha a gentileza de citá-lo como fonte de pesquisa.
Obrigada pela visita !!!

 

Desenvolvido por: Joseane Guimarães